03 de Março - Mês Dedicado a São José

Da Santificação de São José Antes de Nascer
Seu Nascimento
Do Admirável Nome de José que lhe deram na Circuncisão e
Da Beleza Corporal, de que foi Dotado o Glorioso Santo


FONTE

Supõe-se, com bastante probabilidade, que São José foi santificado antes de nascer, adornado com a graça santificante, assim como o tinha sido o Profeta Jeremias e o foi depois São João Batista. Foi ele o maior Santo da Lei da graça, qualificando-o Deus com as primícias desta benção celeste, visto o incomparável ministério da paternidade de Cristo, e o trato familiar e freqüente com a sua santíssima Esposa, compondo-se na terra uma bem-aventurada Trindade.
Para fazer mais singularíssima esta graça, houve quem se animasse a atribuir-lhe também a imunidade da culpa original pela semelhança com a Virgem Mãe de Deus, sua Esposa, que foi isenta de toda a mancha, aliás, essa prerrogativa se deve reputar como opinião piedosa, pois não se pode ter como certa.
Corria o ano 4014 da existência do mundo e o segundo do primeiro consulado do império de Octaviano Cesar, quando nasceu, em Belém, essa prodigiosa criatura. O dia de seu nascimento foi o de 19 de Março. Pensam alguns que nascesse em Nazaré, pátria da Virgem Maria, e que significa Custódia, presságio ditoso da alta missão que havia de ter em guardar, como em preciosa custódia, ou relicário, o melhor Agnus Dei.
Ao oitavo dia depois de nascido, cumpriram seus venturosos pais, como exatos observadores da Lei, a cerimônia da circuncisão e puseram-lhe o misterioso nome de Josépor disposição de Deus, para significar o aumento da glória e dignidade sobre todos os homens. É o nome do glorioso São José tão soberano e amável, que abaixo dos de Jesus e de Maria é o mais digno de adoração, e, depois destes, o que tem maior doçura e suavidade.
A palavra Joseph compõe-se de cinco sons como o de Jesus e de Maria, parecido na dignidade e virtudes a esses nomes que tanto amamos, e como nesse número de cinco exista uma máxima correspondência e semelhança entre o nome respeitoso de Joseph e os soberanos nomes de Jesus e Maria, podemos seguramente afirmar estarem todos os três escritos no livro da vida, ou predestinação da glória pela mesma ordem, com que respeitamos na terra esta Sagrada Família, composta de três pessoas do que resulta a São José semelhantes tributos nos respeitos da dignidade e nos efeitos da virtude.
Joseph quer dizer aumento, que teve o nosso Santo não só em si mesmo com grandes predicados e virtudes, a nenhum outro homem concedidos, chegando o Pai eterno a dar-lhe a representação de sua própria Pessoa na tutoria de Jesus Cristo, seu filho, como também com relação ao mesmo Senhor, quando, sendo Menino, crescia e aumentava corporalmente com o desvelo e alimento, que lhe ministrava São José. Nos Evangelhos encontramos doze vezes esse augusto nome não só para que se conheça que foi justo diante de Deus, mas para que se pudesse conservar, na memória dos homens, um nome tão admirável, um nome misterioso em si, e em cada um dos sons, que o compõem, um nome, de cuja pronunciação o céu se alegra, e o inferno treme.
Como Deus predestinou a São José para ser Pai virginal de seu Filho unigênito, que foi o mais formoso de todos os filhos dos homens, era necessário que se assemelhasse a ele nas feições para serem parecidos pai e Filho, não só para crédito do mesmo Filho e honra da Mãe, mas para se ocultar assim o profundo mistério da Encarnação do Verbo Divino.
Da formosura corporal de Cristo Senhor Nosso sabemos que era perfeitíssima e graciosa, reunindo extrema bondade a soberana majestade. Tinha o semblante grave e sereno; o cabelo nazareno, empastado e depois ondulado; de cor castanho escuro; os olhos rasgados cheios de suma graça e majestade; a boca, o nariz e todas as partes do corpo proporcionados em extremo, e em tudo se mostrava tão agradável e amável, que atraía todos ao seu amor. Daqui se seque que todas estas feições eram peculiares a São José que até no trato e no andar se assemelhava a Jesus, para que parecesse ser de fato seu filho.
Seu semblante respirava uma grande santidade, um respeito mais que humano, um decoro angélico, uma majestade extraordinária. Saía de seu rosto um resplendor, que não só consolava, mas influía prodigiosamente nos corações bem formados, manifestando nas feições externas a graça divina, de que era dotado, dizendo alguns autores que também exalava aquele corpo santíssimo uma fragrância celestial e suavíssima, que despertava no espírito virtuosos impulsos.
Os Evangelhos, não querendo pintar-nos expressamente a formosura corpórea de São José, só referiram a beleza da alma, dizendo-nos que era Justo, mas essa beleza devia transparecer no exterior.

- - - - - - - - - - - -

A vida de São José pela Associação de Adoração Contínua a Jesus Sacramentado.
Livraria Francisco Alves, 1927

- - - - - - - - - - - -

10 de Março - Início da Novena - Sobre o Cordão de São José

Cordão de São José


     O Cordão de São José teve sua origem na Bélgica, mais precisamente, na cidade de Anvers, onde se localizava o convento das Agostinianas. Conta-se que Sóror Isabel Sillevorts foi, em determinada ocasião, atacada do “mal de pedra”, sem que todos os recursos da medicina, empregados para curá-la, surtissem qualquer efeito. Devota de São José, Sóror Isabel, animada da mais firme confiança no Patrocínio deste Glorioso Santo, conseguiu que um Sacerdote lhe benzesse um cordão, cingindo-o à cintura, em homenagem ao grande Patriarca, abandonando, dessa forma, os recursos da terapêutica e iniciando, com todo o fervor, uma Novena de Súplica ao Esposo puríssimo da Virgem Maria, Mãe de Deus. Alguns dias depois, mais precisamente em 10 de junho de 1649, quando, entre fortes dores, fazia ao Santo as mais ardentes súplicas, Sóror Isabel se vê livre de um cálculo de dimensões muito grandes, ficando, assim, completamente curada. A repercussão do milagre foi muito grande e rápida, fazendo com que aumentasse, nos habitantes de Anvers, a devoção a São José, que já não era pequena. Em 1842, na Igreja de São Nicolau, em Verona, por ocasião dos piedosos exercícios do mês de São Paulo, foi esse fato publicado, causando grande repercussão e muitas pessoas enfermas cingiram-se com o cordão bento e experimentaram o valioso auxílio do Glorioso Patriarca, o Santíssimo José. O uso do Cordão de São José foi crescendo cada vez mais e, hoje, ele não é só procurado para alívio das enfermidades corporais, mas, também, e com igual sucesso, para os perigos da alma. Devemos, também, salientar que, o Cordão de São José é utilizado como uma arma poderosa, contra o demônio da impureza. Devido à sua comprovada eficácia contra os males corporais, espirituais e morais, a Santa Sé autorizou a Devoção do Cordão de São José, permitindo até que fosse usado pública e solenemente. Permitiu, também, a Santa Sé a fundação da Confraria e Arquiconfraria do Cordão de São José, elevando uma delas à categoria de PRIMÁRIA. Em setembro de 1859, dando provimento a uma petição do Bispo de Verona, a Sagrada Congregação dos Ritos aprovou a fórmula da Bênção do Cordão de São José.
     O cordão de São José deve ser feito de linho ou algodão bem alvejado. A pureza e a alvura desses materiais indicam a candura e virginal pureza de São José, Castíssimo Esposo da Virgem Mãe de Deus. Numa das extremidades leva sete nós que representam as sete dores e alegrias do Glorioso Patriarca. Por fim, deve ser bento com a bênção própria, por sacerdotes que tenham faculdades para isso.
     O cordão de São José, desde que esteja devidamente bento, pode ser usado cingido à cintura (o cordão maior) sobre ou abaixo da roupa, pulso (o cordão menor), pode, também, ser usado no carro, nos livros escolares, na carteira de documentos, na carteira de motorista, no travesseiro etc. Pode, também, ser colocado na cabeceira da cama ou bem guardado, para, por ocasião de dores ou sofrimentos físicos, aplicá-lo com fé e confiança na parte enferma do corpo, como se costumam fazer com medalhas.
Quem usa habitualmente o cordão de São José recebe a graça da boa morte.
Quem traz constantemente o cordão consigo tem a proteção, especialmente na guarda e defesa da sublime virtude da Castidade, em qualquer de seus três graus e categorias (castidade dos esposos, dos solteiros e dos consagrados).
     É de surpreendente efeito para as gestantes, que o levam cingido, protegendo-as em perigo de aborto, nos partos difíceis, etc., como o atestam centenas de testemunhos.
   Deve-se rezar diariamente 7 Glórias em honra das dores e alegrias de São José, ou qualquer outra oração a São José.
     O Papa Pio IX enriqueceu esta fácil e benéfica devoção, com várias indulgências plenárias e parciais.

Dias nos quais se lucram indulgências plenárias trazendo consigo o
Cordão de São José
  • No dia do recebimento do Cordão;
  • No Natal (25/12);
  • Na Festa de Nossa Senhora Mãe de Deus e Circuncisão (01/01);
  • Na Festa de Reis (06/01);
  • Na Festa dos Esponsais de São José (23/01);
  • Na Festa de São José (19/03);
  • Na festa de São José Operário (01/05);
  • Na Festa da Assunção de Nossa Senhora (15/08);
  • Na Festa do Imaculado Coração de Maria (22/08);
  • Na Festa da Páscoa;
  • Na Festa da Ascensão;
  • Na Festa de Pentecostes;
  • Na Festa de Corpus Christi;
  • Na Festa do Sagrado Coração de Jesus e
  • Em perigo de morte.

Condições para ganhar as indulgências plenárias




a) Confissão;
b) Comunhão;
c) Um Pai Nosso, uma Ave Maria e um Glória ao Pai, nas intenções do Santo Padre o Papa.