Jaculatórias a São José


Dai-me São José, inteira confiança na vossa poderosa intercessão. Ao vosso serviço me consagro para sempre, ó São José.
São José, pela obediência que Jesus vos prestou, tornai-me obediente a todas as vontades de Deus.
São José, que sois tão grande, e ao mesmo tempo tão humilde, obtende-me a verdadeira humildade.
São José, salvai-nos. Nossa salvação está em vossas mãos.
São José, sede sempre nosso pai e concedei-nos a graça de sermos verdadeiros filhos vossos.
São José, penetrai nossos corações de contrição e tornai-nos mais sensíveis às amabilidades de Jesus.
São José, quero ser todo vosso, para preservar, por meio de vós, todo de Jesus e Maria.
São José, lírio brilhante de castidade, conservai em nós esta virtude dos anjos.
São José, aumentai a minha devoção à Maria.
São José, inflamai-nos no amor de Jesus.
São José, obtende-me um grande espírito de oração.
São José, poderoso protetor de nossas almas, livrai-me de todo pecado.
São José, sede minha defesa nas tentações e a minha força nas adversidades.
Dai-me, São José, a graça de vencer as paixões e ter horror ao pecado.
São José, socorrei-me em todas as necessidades.São José, rogai sempre para mim, a perseverança em bem orar.
São José, consolador das almas aflitas, a vós recorro em todas as minhas aflições.
São José, assisti-me em minha agonia.
São José, fazei que vos invoque sempre cheio de confiança.
São José, fazei que eu ame a Jesus como Ele quer ser amado por mim.
São José, fazei que eu morra, como vós, nos braços de Jesus e Maria.
São José, mostrai que sois meu pai.
São José, tenho confiança em vós, defendei-me, guardai-me.
São José, tornai cada vez mais conhecido o poder de vossa proteção eficacíssima.
Bendito sejais, São José, pelo amor com que sois amado por vosso Deus e Senhor.
Amabilíssimo São José, a cada respiração minha, cresça em mim o vosso amor.
São José, mostrai sempre e em toda parte que sois meu pai.
São José, fazei que eu vos ame cada vez mais.

30 de Março - Mês Dedicado à São José

São José, a Igreja e as Almas


São José, pai da Igreja e das Almas
            A divina casa que São José governou com autoridade de pai continha as primícias da Igreja nascente. Da mesma forma que a Santíssima Virgem é mãe de Jesus Cristo, Ela é mãe de todos os cristãos que adotou no monte Calvário, em meio dos supremos sofrimentos do Redentor; e Jesus Cristo é como o primogênito dos cristãos, que, por adoção e redenção, são seus irmãos.
            “Sobre esta grande multidão de cristãos, que compõem a Igreja, sobre esta imensa família espalhada por toda a terra, José, por ser esposo de Maria e pai de Jesus Cristo, possui uma autoridade paterna” (Leão XIII, Encíclica Luamquam plurie).
            Esta origem do patronato de São José nos deve torná-lo caro e venerável. São José, por suas ligações com Jesus e Maria é, por direito divino, o Patrono universal da Igreja e Patrono particular de cada um de nós. E os decretos dos Soberanos Pontífices não fazem mais que declarar o que ele é, proclamando-o Patrono da Igreja Católica.
            Eis porque esse patrocínio, mil vezes bendito, se manifesta, pelo incomparável poder de que dispõe, pela universalidade das graças que pode obter, pela sua influência no céu, na terra e no purgatório, superior ao patrocínio de todos os Santos e de todos os Anjos; suas raízes mergulham na ordem hipostática, é uma manifestação magnífica das prerrogativas de São José na Santa Família.
            Assim, pois, devemos ter confiança completa em seu patrocínio, quer quanto ao que diz respeito à Igreja, quer quanto a nós. Esse patrocínio é universal, para toda a Igreja, e particular para cada um de nós.

São José, protetor e defensor da Igreja e de cada Alma
            São José salvou a vida de Jesus. “Foi São José que preservou da morte o Menino ameaçado pelo ódio de um rei, procurando para ele o refúgio” (Leão XIII).
            E Deus quer que essa proteção e defesa paterna sejam a origem, o penhor, a inauguração de seu ministério paterno no curso dos séculos. “Como cercara santamente a Família de Nazaré com sua proteção, cobre agora com seu celeste patrocínio e defende a Igreja de Jesus Cristo” (Leão XIII).
            Nos perigos que ameaçam sempre a Igreja militante e a cada um de nós, tenhamos confiança no patrocínio de São José, a quem devemos recorrer em nossas orações quotidianas.

São José, pai nutrício da Igreja e de cada Alma

            Pai nutrício de Jesus, São José é, por isso, Pai nutrício da Igreja e de cada alma.
            José no Egito forneceu trigo ao povo judaico, e São José nos preparou o pão celeste. Por vontade de Deus, foi graças a ele que nossa nutrição principal pôde descer do céu. Foi graças a ele que o Verbo se fez homem por uma conceição virginal, cresceu e se preparou para a imolação que o havia de triturar por nossas almas, como o trigo é triturado para alimento dos nossos corpos. O Pão divino começou a ser imolado sob os olhos de São José, na companhia dele, pela pobreza, trabalho, sacrifício... Sobre a Cruz foi somente a consumação das imolações de Nazaré e de Belém.
            Na Igreja, esta casa de Deus, inaugurada na casa de Nazaré, há outros socorros dos quais a nossa vida tem necessidade, tais como os Sacramentos. A São José devemos pedir a recepção digna desses Sacramentos.
            Ainda mais, é de São José que esperamos esta nutrição tão necessária, que se chama a doutrina cristã – a qual por intercessão de São José pedimos que seja muito abundante e proveitosa e que nosso apostolado seja por ele abençoado.

- - - - - - - - - - - -
A vida de São José pela Associação de Adoração Contínua a Jesus Sacramentado. Livraria Francisco Alves. 1927.


30 de Março - Mês Dedicado à São José

São José como intercessor


            Grande deve ser, no Céu, o poder de São José sobre os elementos materiais que pode impedir nos sejam nocivos ou fazer que nos sejam úteis; sobre os demônios, neutralizando seu ódio e desmanchando seus embustes e perfídias; sobre os bons Anjos que pode enviar para nos socorrer.

            Mas, acima de tudo, tem ele o poder da oração, como pai de Jesus e esposo de Maria Santíssima, e esse poder é geral para todas as nossas necessidades e não particular, como é atribuído aos demais santos.

            “Invocam-se os santos, diz São Francisco de Salles, para necessidades particulares, como se as graças e o dom dos milagres fossem partilhados entre eles e cada um tivesse uma parte limitada; mas São José tem o remédio geral para todas as necessidades do corpo e da alma, no crédito absoluto que tem junto de Nosso Senhor”.

            Todos esses pensamentos estão contidos na admirável oração a São José que legou Leão XIII:

            “Recorremos a vós em nossa tribulação, ó bem-aventurado José, e, depois de ter implorado o socorro de vossa santa Esposa, solicitamos, com confiança, vosso patrocínio. Pela afeição que vos uniu à Virgem Imaculada, Mãe de Deus, e pelo amor paterno de que cercastes Jesus Cristo, vos suplicamos que olheis, com bondade, para a herança que Jesus Cristo conquistou com seu sangue e que nos assistais com vosso poderoso socorro em todas as nossas necessidades.
            Protegei, ó sábio Guarda da divina Família, a raça eleita de Jesus Cristo; preservai-nos, ó pai amantíssimo, de toda manha de erro e de corrupção; sede-nos propício e assisti-nos do alto do céu, ó nosso poderoso libertador, no combate em que estamos empenhados com o poder das trevas; e, do mesmo modo que livrastes, outrora, o Menino Jesus do perigo da morte, defendei hoje a Igreja de Deus dos embustes do inimigo e de toda a adversidade. Concedei-nos vossa perpétua proteção, afim de que, com vosso exemplo e por vosso socorro, possamos viver santamente, piedosamente morrer e obter a beatitude eterna do céu. Assim seja.”

            São José é, ainda, mais que intercessor, é nosso corredentor. O título de esposo de Maria, Mãe dum Deus Redentor, dá a São José o título de corredentor, tomando, aliás, esta palavra em sentido essencialmente diferente do sentido que tem com relação a Maria Corredentora. Quer isso dizer que São José foi, com efeito, associado como causa, ou ao menos como condição indispensável com relação ao plano divino da Encarnação Redentora; e isso não se pode dizer de nenhum outro santo.

            Os outros santos estão depois da ordem hipostática, ou amo menos fora dela. Eles tem com relação a ela, cada um tomado a parte, uma função super-rogatória.

            O Verbo não quis se encarnar para nos resgatar sem a coparticipação de São José.

            Não queremos terminar estas considerações sem repetir o que escreveu Santa Tereza, em que, para propagar a devoção a São José, vale por tudo o que temos dito:

            “Tomo por advogado e protetor a São José, e recomendo-me instantemente a ele. Seu socorro manifestou-se do modo mais visível. Esse terno pai de minha alma, esse amado protetor, apressou-se em me tirar do estado em que desfalecia meu corpo, bem como me livrou de perigos maiores de outro gênero, que ameaçavam minha honra e minha salvação eterna. Para cúmulo de felicidade, tem-me sempre ouvido além de minhas preces e de minhas esperanças. Não me lembro de lhe ter pedido, até este dia, coisa alguma, que me não tenha concedido.

            O Altíssimo dá somente graça aos demais santos para nos socorrer em tal ou qual necessidade; mas o glorioso São José, eu o sei por experiência, estende seu poder a tudo. Nosso Senhor quer nos fazer entender por aí, que, assim como ele lhe foi submisso na terra do exílio, reconhecendo nele a autoridade dum pai adotivo e dum governador, igualmente se apraz ainda em fazer sua vontade no céu, ouvindo todos seus pedidos...

            Conhecendo hoje, por uma tão longa experiência, o admirável crédito de São José junto de Deus, quereria persuadir todo o mundo a honrá-lo com um culto particular.

            As pessoas, dadas à oração, deveriam principalmente sempre amá-lo com uma filial ternura... Quem não encontrar quem lhe ensine a orar, escolha este admirável santo por mestre...” (Vida de Santa Tereza, escrita por ela mesma).

- - - - - - - - - - - -
A vida de São José pela Associação de Adoração Contínua a Jesus Sacramentado - Livraria Francisco Alves, 1927