Novembro - Mês das Almas do Purgatório - 19

Retirado do livro
Mês das Almas do Purgatório
Mons. José Basílio Pereira
 livro de 1943 
(Transcrito por Carlos A. R. Júnior)


ALÍVIO ÀS ALMAS DO PURGATÓRIO
Motivos que nos determinam a socorrer às almas do Purgatório

DIA 19
Primeiro motivo: — O serviço que prestamos a Deus e a gloria que lhe proporcionamos

É verdade que nós, frágeis e míseras criaturas, podemos prestar serviço a Deus, podemos realmente lhe ser úteis? Sim, diz Bourdaloue, cuja doutrina é sempre se­gura, sim, podemos. O Purgatório é um estado de violência para o próprio Deus. Ali, vê Deus almas a quem quer com um amor sincero, terno e paternal, almas que sofrem e às quais todavia não pode Ele acudir, — almas cheias de mérito, de san­tidade, de virtude, mas a quem não pode Ele ainda remunerar, — almas que são suas escolhidas, suas esposas, e que Ele é forçado a ferir e castigar… Pois bem! Nós podemos, nós, pobres criaturas, fazer cessar esse estado de violência, dando à justiça divina tudo o que ela pede…
Não me é dado compreender o que se passa no coração do Senhor, quando com as minhas orações e boas obras eu tiro uma alma do Purgatório, e essa alma, numa espécie de delírio de alegria, vai lançar-se no seio de Deus, dizendo-lhe: Meu pai! meu pai! — mas imagino o que ex­perimentaria o coração de uma mãe que, tendo conhecimento de que seu filho foi condenado à prisão por muitos anos, o visse, de repente, trazido por um amigo que o houvesse libertado. Oh que alegria! oh que amplexo! — e que reconhecimento pelo salvador desse filho.
É esta alegria, esta felicidade a que eu proporciono a Deus! é esse reconheci­mento o que obtenho em seu coração.
E, além da alegria que ocasiono a Deus, concorro também para sua gloria, essa gloria de que Deus é tão cioso. Ouçamos ainda Bourdaloue: «Nós admiramos, diz ele, esses homens apostólicos que, leva­dos pelo espírito de Deus, atravessam os mares e vão aos países bárbaros ganhar a Deus os infiéis, mas compreendeis que a devoção das almas do Purgatório para seu alivio e livramento é uma espécie de zelo que, em relação a seu objeto, não cede ao da conversão dos pagãos e até o vence de certo modo. É que, sendo as almas confirmadas na graça, hão de ser incom­paravelmente mais nobres aos olhos de
Deus que as dos pagãos elas estão, mor­mente na ocasião, num estado muito mais apto para glorificar a Deus que as dos infiéis.»
Qual de nós recusar-se-á a contribuir assim para a felicidade e glória de Deus?


__________
Trecho extraído do livro - Mês das Almas do Purgatório - Mons José Basílio Pereira - 10a. Edição - 1943 - Editora Mensageiro da Fé Ltda. - Salvador - Bahia

Nenhum comentário:

Postar um comentário