Leitura Indulgenciada - A Alma Gloriosa de Maria - 25

Orações - Clique Aqui


XXV. ALMA PEREGRINA

E vemos uma estrada comprida, sem fim, quase... O peregrino cansado, coberto de poeira, apoiado ao seu bordão. Sacola ao lado, com pão e livros de sua fé. E caminha sempre. Lá, ao longe, sobre a montanha, divisa, o santuário... Onde há paz, frescor e harmonia. E ele se anima e caminha sempre avante. E vai fazendo o bem. Reparte de seu farnel aos que têm fome. E serve de arrimo aos que não têm bordão. E de olhos aos que são cegos. E canta e reza pelos que são mudos. E ama pelos que não têm coração. E caminha, caminha sempre... Lá, em cima, o santuário, onde a grande paz e o descanso...
Nada de fantasia. Foi, exatamente, assim, a alma gloriosa de Maria em sua peregrinação terrestre.
Ela corporificou, perfeitamente, a doutrina de Jesus Cristo e que S. Paulo soube tão bem repetir: que nós, nesta terra, não temos morada permanente, mas que demandamos a futura, e que, enquanto peregrinamos por cá, a nossa missão é ir distribuindo o bem a todos os que encontramos no caminho. Como Jesus Cristo, que passou por este mundo, fazendo o bem.
O divino Mestre costumava dizer que não tinha onde reclinar a cabeça, apesar de as raposas terem as suas tocas e as aves do céu, os seus ninhos. É esta a virtude principal do verdadeiro peregrino: o desprezo das coisas que o cercam, o desapego de tudo o que é terreno. Ele segue a sua rota, sem se prender a nada do que vai encontrando; do contrário, não chegaria ao lugar de seu descanso. Sempre avante! E se ele deve ser desapegado, deve ser também muito animoso e confiante, para vencer as dificuldades, lembrando-se sempre do fim que o espera. Foi assim a alma gloriosa de Maria: alma desapegada e alma animosa! Portanto, uma alma verdadeira de peregrina. O seu grande desapego se vê na sua pobreza voluntária, desde a vida no Templo até à morte, pobreza que é desapego dos bens materiais; e se vê, também, na sua profunda humildade, que é desapego, desprezo, até, de louvores e de honrarias. O seu ânimo e coragem, nós o vemos na sua atitude resoluta de quem avança, ou melhor, de quem sobe, sobe sempre, vencendo todas as dificuldades e todos os empecilhos. Não se prende a lugar algum, nem à paz de sua habitação. Vai às montanhas de Hebron, vai a Belém e vai para o Egito. Lá, então, na terra estrangeira, na terra pagã, ela era duplamente peregrina, cheia de saudades das duas pátrias distantes...
E volta para Nazaré, a cuja paz doméstica ela sempre renuncia, sem demora, quando era preciso, para suas visitas de religião e de caridade.
E de Nazaré — onde passara os anos mais felizes e tranquilos com Jesus e São José — vai para Jerusalém — onde o trecho mais doloroso de sua peregrinação — e de Jerusalém para Éfeso, percurso dos suspiros e das saudades, mas última passagem, antes de chegar à Pátria, o grande Santuário de Deus, para onde ela peregrinara, sem repouso, a vida inteira já...  Agora sim, era o descanso, o frescor do templo, a paz, as harmonias...
Quer o queiramos, quer não, nós somos peregrinos. Mas seguimos o exemplo de Maria? E a rota, traçada por Cristo, no seu Evangelho? Desapegados das coisas do mundo? Cheios de ânimo e alegria para vencer as dificuldades? Ou nos arrastamos de má vontade, presos a mil ninharias que nos rodeiam? Sejamos prudentes; façamos como aquele escudeiro de S. Wenceslau da Boêmia. Sem o fervor do rei, sentia muito as caminhadas longas e feitas sobre a neve em demanda de algum santuário. Estava por desanimar e atirar-se, sem forças, sobre a estrada, quando o Soberano, voltando-se para trás, disse: “Trata, amigo, de pisar justamente nas minhas pegadas e não sentirás nem cansaço, nem frio!” O resultado foi maravilhoso — Pisemos nós, também, exatamente, nas pegadas de Maria, e chegaremos sem desfalecimentos, ao santuário do céu... Façamos como S. Francisco de Assis, que tão bem pôs em prática esta doutrina da peregrinação...

Ó MARIA, Virgem prudente e fiel, fazei que nos lembremos sempre de que somos peregrinos e de que, desapegados de tudo e alegres e animosos, devemos demandar, continuamente, a Pátria celeste. Assim seja!


__________
Do Livro: A Alma Gloriosa de Maria - Frei Henrique G. Trindade, O.F.M. - 1937 - segunda edição