Receba as atualizações do † Almas Devotas ➜ Recadastre-se

Enter your email address:

22 de Março - Mês Dedicado a São José

Da estada do glorioso São José no Egito com a Virgem e o Menino Deus




            Depois que os Celestes Forasteiros passaram por várias povoações no Egito, chegaram finalmente ao lugar denominado Mathuréa, distante dez mil passos de Heliópolis, hoje, Cairo, e ali fixaram sua residência, acomodando-se em uma pobre casinha, hoje reduzida a Igreja, que os Cristãos Gofitos possuem, e os devotos peregrinos, que por ali passam, muito veneram. Os Mouros têm este sítio em grande estimação, não só pela horta de bálsamo, que ali há, mas pela fonte deliciosa, que a fertiliza, sendo entre eles tradição antiquíssima ter ela nascido milagrosamente para saciar a sede à Virgem e seu Santo Esposo.

            Aqui se estabeleceu o Santo e Peregrino Esposo, com a sua Santíssima Esposa e Deus Menino, desterrados da sua pátria para serem moradores em um país não só estranho, mas inimigo dos israelitas. Que desejo não teria São José de sair desta terra pelos contínuos temores que lhe podia causar esta gente má e perversa? O pesar de não saber quando sairia daquele desterro sem dúvida afligia e atormentava grandemente seu coração; mas não obstante se conservou sempre o mesmo, sempre afável, e sujeito ao beneplácito divino, do qual se deixou totalmente governar, porque, como era Justo, tinha sempre sua vontade unida e conforme a de Deus.
            Durante os três primeiros dias, não teve a Rainha do Céu para si e seu Unigênito mais alimento, que o que pedia de esmola seu Esposo fidelíssimo José, até que com o seu trabalho começou a granjear algum sustento, e pôde também fazer uma cama, em que se reclinava a Mãe de Deus, e o berço do Menino, porque o Santo Esposo não tinha outra cama mais que a terra dura. Logo no dia seguinte ao da sua chegada, fora o solícito São José comprar instrumentos do seu ofício para uso fabril do seu trabalho, e a Virgem Maria também buscou cuidadosa em que pudesse ajudá-lo com o labor das suas preciosas mãos.
            Ao Santo se lhe originara uma grande perseguição da vizinhança pela manobra da sua arte, porque mal acostumados aqueles moradores egípcios a sentir o áspero ruído da serra, do martelo e da enxó, com que o Santo trabalhava, o criminaram de perturbador; porém a humildade e a modéstia de São José o defendeu e livrou de tal sorte da impostura, convertendo a acusação em benevolência, que o Juiz o fez conservar na própria casa.
            Mas verdadeiro trabalho foi o que padeceu São José, quando via que os egípcios adoravam os ídolos infames, e deixava de conhecer ao verdadeiro Deus, que tinham entre si, lastimando também não pouco os opróbrios e maus tratamentos, que daquela gente perversa padecia a Virgem Sacratíssima; porém recompensava o glorioso Patriarca São José estes e outros contratempos com a incomparável dita, que recebia, quando tomava em seus braços ao Divino Infante; quando, com profunda submissão, lhe fazia aquelas afetuosas carícias, de que a inocente infância se deleita. A Virgem Maria, para fazer os ofícios domésticos, entregava o Menino ao Esposo Santo, para que o entretivesse, e o Esposo para isto suspendia o seu trabalho. É de considerar que regalos receberia, quando o tomava e tratava! Quão suaves seriam seus abraços! A graça, que acharia nos inocentes atos peculiares à infância!
            Que júbilo e alegrias não experimentaria seu coração, quando ouvia ao Menino Jesus pronunciar ainda com a língua balbuciante a primeira palavra, que foi chamar-lhe Pai! Esta primeira palavra do Menino Deus, como cheia de eficácia Divina, infundia no coração de São José novo amor e reverência. Pôs-se de joelhos aos pés do Infante Jesus com humildade profunda, e deu-lhe graças, porque a primeira voz, que lhe tinha ouvido, fora a denominação de Pai.
            Não era São José pai natural de Cristo, mas só adotivo; porém o singular amor, que lhe tinha, excedia, incomparavelmente, a todo o afeto, com que os pais naturais amam a seus filhos, e por este amor incomparável e recíproco na relação de pai a filho se há de inserir o excesso de alegria, em que se viu a sua alma, ouvindo-se chamar repetidas vezes pai do mesmo Filho do Pai Eterno. Já São José era nas excelências grande antes que o Menino Deus lhe pudesse chamar pai e a Sacratíssima Virgem esposo; mas, depois que o amor social o juntou a ambos e o uniu com o amor de um e outro, a que eminente grandeza não subiu? Não há vozes humanas, que possam explicar, devidamente, esta prerrogativa de São José.
            Como o nosso glorioso Santo foi ab aeterno constituído por Deus para a alta dignidade de vigilante pedagogo e nutrício de seu unigênito Filho, é naturalmente crível que o Santo o ensinaria a andar, e para isso o tomaria pela mão, alternando o Menino os lugares, ora da esquerda, ora da direita, com os passos dúbios, e ainda trêmulos e titubeantes. Estas e outras ações, ainda que pueris, a que o sumo Deus e Verbo Eterno se quis sujeitar por nosso amor, eram de grande ponderação e júbilo para São José.
            Algumas vezes o Menino se entretinha com as ferramentas na oficina de São José, pedindo que lhas pusesse ao ombro para as levar, por graça misteriosa, de uma para outra parte, até que, cansadinho, se lançaria aos braços de pai, onde recostado adormeceria, e o Santo, com afetuosa ternura acalentando-o, lhe cantaria novos e doces hinos.
            Não seria de pequeno contentamento para o glorioso São José, quando visse também que as egípcias atraídas pela singular beleza do Menino e da amável forasteira sua Esposa, iam fazer-lhe companhia alguns espaços de tempo, levando-lhe suas galantarias e mimos, e tendo por boa dita beijaram-lhe os pés e as mãos de branca neve. Desta sorte, suavizava São José ditosíssimo os trabalhos do seu desterro, ganhando o sustento para si e para aquele soberano Aluno, que todas as coisas sustenta, o qual, para maior excelência do Santo, é crível que algumas vezes lhe pediria pão como faz o filho ao pai, e dele o receberia com reverência. Oh! Que graciosa alternativa! O pai com a sua educação conservava ao Filho, e o Filho servia ao pai; mas como Senhor de tudo alimentava ao mesmo, que lhe dava o alimento.
            Que gozo, finalmente, não encheria o coração de São José ver a Mãe de Deus ao seu lado entretida também em tecer a lã, ou o linho, para coser, ajudando assim a sustentação de sua casa; e ao Filho querido sentado junto a ela, dando a seu coração alívio com seus divinos colóquios? Desta forma se ia criando o Verbo Eterno, alimentado entre os dois lírios, ou cândidas açucenas da pureza de São José e da Virgem Maria no penoso desterro da sua pátria.

- - - - - - - - - - - -
A vida de São José pela Associação de Adoração Contínua a Jesus Sacramentado - Livraria Francisco Alves, 1927.