Receba as atualizações do † Almas Devotas ➜ Recadastre-se

Enter your email address:

ORAÇÃO MARIANA DO SÉCULO III


Fragmento Papiráceo
  
Em síntese: Em 1917 a Biblioteca John Ryland, de Manchester, adquiriu no Egito um pequeno papiro, cujo conteúdo foi identificado em 1939; é o texto de uma oração dirigida a Maria Santíssima invocada como Theotókos (Mãe de Deus) no século III. Quando em 431 o Concilio de Éfeso proclamou Maria Theotókos, fez eco a uma tradição cujo primeiro termo conhecido remonta a Orígenes (243).

Em 1917 a Biblioteca John Ryland, de Manchester (Inglaterra), adquiriu no Egito um pequeno fragmento de papiro de 18 x 9,4 cm, que foi catalogado como Ryl. III, 470. Esse papiro apresenta uma oração mariana de grande importância tanto por seus dizeres como por sua data.

Examinaremos, a seguir, o conteúdo do papiro e a respectiva datação.

1. O conteúdo do papiro

O texto do fragmento papiráceo foi editado em 1938, sem que se tivessem até então identificado os seus dizeres. Isto só foi feito no ano seguinte por F. Mercenier: este pesquisador verificou que se tratava da oração mariana conhecida e recitada ainda hoje com as palavras iniciais "Sob a vossa proteção" (Sub tuum praesidium... em latim). Embora o texto não esteja completo, mas deteriorado pelas intempéries dos séculos (coisa normal entre os papiros), o sentido das palavras pode ser depreendido com clareza e segurança. Eis, a seguir, uma reprodução do papiro e a reconstrução do seu conteúdo. Entre colchetes estão coloca- das as letras gregas subentendidas para dar significado ao texto:


O texto, devidamente reconstituído, diz o seguinte :


Sob a tua misericórdia nos refugiamos. Mãe de Deus!
Não deixes de considerar as nossas súplicas em nossas dificuldades, Mas livra-nos do perigo, Única casta e bendita!


A oração, redigida na primeira pessoa do plural, parece ser, por isto mesmo, pertinente ao uso da Liturgia. Comentemo-la, levando em conta as traduções da mesma existentes nas diversas tradições litúrgicas.

Sob a tua misericórdia nos refugiamos... Uma das diferenças mais notáveis quando consideramos as versões recentes, está em que o antigo orante se refugiava debaixo da misericórdia de Maria, ao passo que o texto latino diz praesidium, proteção, asilo, defesa - o que parece ser mais sóbrio. A expressão "sob a tua misericórdia" se encontra nas versões bizantina, copta e ambrosiana, ao passo que a Liturgia síria reza mais enfaticamente ainda: "sob o manto da tua misericórdia". Por sua vez, o rito etíope diz: "sob a sombra de tuas asas".

Alguns manuscritos latinos do século X traduzem literalmente: sub tuis visceribus, isto é, em tuas entranhas nos refugiamos. Esta versão faz ressoar um semitismo bíblico: a misericórdia é comparada às entranhas de uma mãe, que em seu íntimo defende e abriga seu filho. Na verdade, o vocábulo grego eusplanchían significa boas entranhas. Como se vê, o texto original põe em relevo a confiança filial e a índole afetiva das relações entre o cristão orante e a Santa Mãe de Deus.

Theotókos. O título que comumente se traduz por "Mãe de Deus", quer dizer, ao pé da letra: "Aquela que deu à luz Deus", em latim Deipara. Este título professa que a pessoa que Maria deu à luz, é a pessoa do Filho de Deus ou a segunda Pessoa da SSma. Trindade na medida em que quis assumir a carne humana. Note-se que o vocábulo Theotóke é forma de vocativo; donde se depreende que a oração é dirigida a Maria, como expressão da grande antiguidade da devoção mariana no povo de Deus.

Não deixes de considerar as nossas súplicas em nossas dificuldades. Ao pé da letra, o fiel pede a Maria: "não afastes de nossas súplicas o teu olhar". Basta, pois, que a Mãe de Deus esteja atenta às nossas súplicas para que estejamos seguros. Não se trata, porém, de qualquer súplica, mas daquelas que brotam das dificuldades.

Mas livra-nos do perigo. Observe-se que o texto atual desta prece menciona "os perigos", ao passo que o papiro fala "do perigo". Quem recua até o ambiente egípcio do século III, verifica que o perigo por antonomásia eram as perseguições movidas pelo Império Romano contra os cristãos. O historiador Eusébio de Cesaréia (+339), em sua História da Igreja, descreve a grande crueldade das perseguições havidas no Egito. Por conseguinte, pode-se crer que a comunidade que compôs tal oração, em tempo de perseguição, recorria à proteção da misericórdia da Mãe de Deus. Se tal suposição é correta, vê-se que a oração refletia dramaticamente a alma do povo de Deus.

Única casta e bendita! A exclamação final professa a virgindade de Maria Santíssima. O termo agne significa pura, casta, santa; além da virgindade, proclama a fidelidade de Maria à vontade de Deus.

2. O problema da datação

Os estudiosos concordam entre si ao afirmar a grande antiguidade do texto, mas oscilam entre o século III e o século IV.

Os que preferem o século III valem-se de argumentos papirológicos (material sobre o qual se fez a escrita, tipo de letra, caligrafia...). Os partidários do século IV baseiam-se em razões de ordem doutrinária: o uso da expressão Theotókos, dizem, não se encontra antes do século IV. Todavia a pesquisa atenta das fontes literárias ou patrísticas leva a concluir claramente em favor do século III. Eis o que se pode apurar:

Por volta de 428 Nestório, Patriarca de Constantinopla, rejeitou o costume, arraigado no povo cristão, de chamar Maria Theotókos; preferia falar de Christotókos (a que deu à luz o Cristo). Com isto Nestório queria pretensamente salvaguardar a humanidade completa de Cristo, mas na verdade estava separando o divino e o humano em Jesus e negando a verdadeira Encarnação. A réplica a Nestório não se fez esperar. São Cirilo, Bispo de Alexandria, sede tradicionalmente oposta a Constantinopla em questões cristológicas, assumiu a defesa do título Theotókos. O Concilio geral de Éfeso em 431, valendo-se das palavras de Cirilo, declarou que os Santos Padres "não duvidaram chamar Theotókos à SSma. Virgem" - o que não queria dizer que a Divindade começou a existir a partir de Maria, mas que Aquele que nasceu de Maria, desde o seio materno está unido hipostaticamente ao Verbo de Deus.

A controvérsia assim oriunda tem suas raízes em épocas anteriores. Com efeito; quando Nestório se pôs a negar o título Theotókos, encontrou-o já inveterado no povo de Deus, principalmente no Egito ou na região de Alexandria. Retrocedendo ao século IV encontramos o grande Bispo Atanásio de Alexandria, que por volta de 340 atribuiu algumas vezes o título Theotókos a Maria SSma., tanto nos seus escritos contra os arianos quanto na sua Vida de Antão.

O antecessor de Atanásio na sede alexandrina, S. Alexandre, também usou tal título: numa de suas cartas afirma que o Verbo assumiu um corpo verdadeiro, e não aparente, de Maria, aTheotókos (PG 18, 568c).

Em 300 foi eleito Bispo de Alexandria Pedro I: ao referir-se ao mistério da Encarnação, chama duas vezes Maria Theotókos (PG 18,517b). Nem Pedro nem Alexandre nem Atanásio sentem a necessidade de justificar ou explicar o título - o que mostra que era tranquilamente aceito pelo povo de Deus.

Entrando agora no século III, notemos que o mártir alexandrino Piero (+300) cognominado Orígenes Júnior, escreveu um tratado sobre a Theotókos (Peri tes Theotókou), como refere Filipe de Side.

Recuando mais ainda, registra-se uma observação do historiador Sócrates, o Escolástico, na sua História da Igreja: afirma que Orígenes de Alexandria (+254) no início do seu comentário sobre a epístola aos Romanos (redigido por volta de 243), elaborou ampla explicação do sentido que tem o termo Theotókos; em tal caso pode-se crer que Orígenes sentia a necessidade de explicar o título mariano. Infelizmente, porém, esse comentário da epístola aos Romanos se perdeu. O vocábulo Theotókos ocorre ainda em alguns textos de Orígenes cuja autenticidade é discutida (o fragmento 80 sobre Lucas é tido geralmente como genuíno). Há certamente algumas afirmações de Orígenes, em suas homílias sobre São Lucas, que sugerem tenha Orígenes, já na primeira metade do século III, chamado Maria SSma. Theotókos.

Este título ocorre outrossim na obra As Bênçãos dos Patriarcas, de Hipólito de Roma (+235), que pode datar de fins do século II (julga-se, porém, que a referência ao título é devida a uma interpolação e não pertence à integridade do texto).

Como quer que seja, pode-se reconstituir a série de autores alexandrinos que aplicam a Maria a designação Theotókos: Orígenes, Piero, Pedro I, Alexandre e Atanásio; tal série vai de 243 a 340, evidenciando a antiguidade do texto.

Estes dados de literatura patrística são assaz significativos para que se possa atribuir a oração em pauta ao século III. Ela é testemunho de que a piedade mariana desde remotas épocas existe no povo de Deus, pondo em relevo a figura maternal de Maria: Mãe de Deus feito homem e Mãe dos homens que seguem a Cristo perseguido e vencedor da morte.

__________
Dom Estêvão Bettencourt (OSB)

MARIA MODELO DA MULHER NOS SEUS DEVERES DE ESPOSA


Tais foram as virtudes de MARIA que a sua vida pode servir de regra a todas as vidas
S. Ambrósio
PRIMEIRO COLÓQUIO
A esposa em face de Deus
Missus est ad virginem desponsatam viro cui nomen Joseph.
0 anjo Gabriel foi enviado a uma virgem cujo esposo se chamava José.
Mudando de condição, Maria não muda de sentimentos. Esposa do casto José, continua a ser em Nazaré o que era no templo no meio das jovens virgens suas companheiras, a serva fiel do Senhor. Eis o vosso modelo, esposas cristãs que vos decidistes a contrair uma união que só a morte poderá romper. Fazei calar a vossa imaginação, ponde de lado os vossos sonhos de donzela, não vades julgar-vos destinada a tornar-vos uma das mulheres sempre adoradas e sempre adoráveis, segundo a frase de Fénelon, que são muito numerosas nos romances. Lembrai-vos, pelo contrário, de que o caminho da cruz é o único que leva à vida. Recordai-vos de que se todos os homens devem pagar neste mundo o seu tributo de sofrimentos e de submissão, o cristianismo fez dele, sobretudo o apanágio especial da mulher; escutai os avisos que vos dá uma mulher que parece haver expressamente escrito para vós as palavras seguintes: 1 
Desde os primeiros dias do seu casamento, a esposa cristã deve aplicar-se a compreender e a encarar a sua posição no seu conjunto, e ocupar-se em harmonizar as suas exigências com as da fé. Colocar-se sob um ponto de vista assaz baixo para aperceber detalhadamente os deveres multiplicados e minuciosos, cujo conjunto forma o seu dever, e assaz elevado para isolar-se desse aparato de seduções que a cerca, e compreender que esta espécie de nuvem de poesia, cujos vapores se espalham por sobre ela, se diluirão a breve trecho numa realidade vulgar e prosaica.
Obreira precoce e madrugadora lançai a mão à charrua e não olheis para trás. Esquecei os sonhos da vossa infância, olvidai as delícias da vossa despreocupação de donzela, e essa vida de repouso e de prazeres que já talvez vos encontrasse muito difícil, ou, se vós vos recordais que isto seja para dizer como S. Paulo: Quando eu era criança, falava como criança, julgava como criança, raciocinava como criança; mas, tornando-me homem, acho-me desapossado de tudo o que tinha da infância. E dizei isto sem pensamento reservado, com a resolução sincera de não recuar diante de nenhum sacrifício ou de nenhuma fadiga, de não recuar mesmo diante da humilhação, nem diante da obediência; dizei-o com uma determinação franca e tenaz de caminhar sempre para a frente, apesar das insinuações da preguiça. Dizei-o, enfim, com a intenção generosa de nada recusardes a Deus, nem mesmo a vossa vontade, nem mesmo os gozos mais puros das vossas legítimas afeições.
Haveis de mostrar assim que realmente vos tornastes homem; o homem de Deus, seu vassalo devotado e sempre fiel. Certamente, aquele que vos fez o que sois, diz Santo Agostinho, tem bem o direito de exigir que sejais todas dele.
Não há dúvida, pois, que deveis sempre pertencer-lhe, mas trata-se d’ora avante de uma doação mais completa e mais reflexa. Éreis dele, em criancinha, quando não o conhecendo ainda, os vossos gritos o imploravam sem o saber. Éreis dele, em menina, quando, gozando alegremente os vossos primeiros dias belos, interrompíeis os vossos jogos e brinquedos, ao sinal d’uma mãe, para erguer as mãos e rezar; mas não o servíeis senão sem o saber, e ao levar-vos a ele, a vossa mãe fazia apenas um ato reflexo. Éreis dele, na adolescência, quando pela primeira vez quis habitar dentro em vós; oh! nesse belo dia vós pertencíeis inteiramente a Deus. Contudo, cheia ainda da inconstância da vossa idade, revestida tanto da sua leviandade como da sua inocência, tendes sentido mais as doçuras do dom de Deus que compreendido as obrigações que vos eram impostas; talvez mesmo tenhais esquecido depois estas doçuras e estas obrigações.
Éreis de Deus, quando donzela, pois que, dando os primeiros passos no meio do mundo cujo aspecto vos seduzia, vós prometíeis constantemente nunca o preferir a Jesus Cristo; mas tínheis antes a confiança presunçosa d’uma inocência não experimentada do que a força do devotamento; éreis de Deus, em donzela, quando, não obstante as seduções das aparências e as revoltas internas tão frequentes na idade juvenil continuastes a servi-lo e a amá-lo; mas então, abrigada debaixo da asa materna rodeada de conselhos e de vigilância, a vossa virtude estava especada de todos os lados, e tinha as suas raízes mais em santos costumes do que em solidas resoluções. Éreis de Deus, em donzela, quando, tremendo à ideia d’uma mudança de posição, vos lançastes nos seus braços para lhe pedir socorro e luz; mas então a grandiosidade da empresa, o assombro do vosso coração vos faziam assaz sentir não só a vossa fraqueza mas também a necessidade do seu apoio.
Mas d’ora avante, deveis ser de Deus não somente em virtude do seu soberano domínio sobre toda a criatura, não somente como a criança que lhe reza sem o conhecer, e não por hábito ou por capricho, nem por fraqueza ou por medo; deveis ser dele por uma doação voluntária e total, com o conhecimento inteiro dos vossos deveres e dos vossos perigos, como com uma firme confiança no seu amor e na sua bondade.
Já não é o sinal d’uma mãe que deveis esperar para o servir e rezar-lhe; mas à vossa voz agora, outras deverão aprender a fazê-lo. Não é somente nos momentos de fervor e de pesar que deveis pensar nele; mas é sempre, porque sempre, se ele não estiver ao vosso lado, sentir-vos-eis fraquejar debaixo do peso da cruz e da pressão d’uma enorme responsabilidade.
Já não é exclusivamente nos solenes instantes das decisões difíceis que é preciso abandonar-vos à sua direção, e entregar-lhe as chaves do império cujo cetro vós possuís; mas é todos os dias, é a cada conduta e a cada passo, porque todos os vossos dias estão semeados de dificuldades, porque os vossos passos, e as vossas condutas tem adquirido um certo grau de importância de que vós não podeis encarregar-vos sozinhas; ficai-o então sabendo, não cessamos de vo-lo dizer, tendes precisão de Deus.
Desde os primeiros dias da vossa união, ponde-vos de joelhos, pela manhã e à noite; é mister que o vosso marido saiba bem que sois cristã, a omissão das vossas preces seria para ele uma causa de admiração, e mais tarde havia de servos difícil prosseguir as práticas que haveis interrompido.
Durante o dia, subtrai alguns desses instantes, tantas vezes desperdiçados no mundo, para vos recolher, escutar a voz de Deus, e responder-lhe. Conservai os vossos piedosos costumes de donzela; dai a esta oração, cujo incenso sobe direito para Deus, para tornar a descer em chuva de graças, as primícias do dia. E haveis de ver como todas as vossas ações serão abençoadas em seguida; como as horas que se seguirem serão impregnadas dos perfumes queimados pela manhã; como a vossa alma cem paz com Deus estará mais facilmente com todos; como a sua recordação vos seguirá docemente para inspirar-vos a força, aonde a força for necessária, e ensinar-vos a descendência no ponto aonde a condescendência se tornar útil.

PRÁTICA
Recordai que a nossa condição pode mudar, mas que o dever de servir a Deus não varia nunca.

ORAÇÃO
Oh Maria! Vós, a quem eu sou feliz por chamar Minha Mãe, amai-me sempre como vosso filho, velai por mim no meio dos perigos que me cercam, amparai-me no cumprimento dos meus deveres, protegei-me contra a minha própria fraqueza, obtende-me a graça de perseverar até à morte no vosso amor e no amor do vosso Divino Filho.
Assim seja.

RAMO ESPIRITUAL
A Santa Escritura representa-nos a SS. Virgem sob o emblema de um jardim fechado, hortus conclusus.
Sim, diz S. Bernardo, Maria é esse florido canteiro fechado ao espírito impuro, cheio de divinos aromas, cultivado por uma Mão Celeste e ornado das flores deleitáveis de todas as virtudes; entre as mais belas, três sobretudo nos arrebatam de admiração e enchem a casa do Senhor do mais suave perfume: a violeta da humildade, o lírio da virgindade, e a rosa da caridade.
Esposa cristã, possais vós aparecer aos olhos de Deus como aos olhos do mundo, ataviada de todas as virtudes, a exemplo de Maria; é assim que vós glorificareis o vosso Pai celeste.

_____
1 - Mulher Cristã, por Mme. M. de M.

__________
Excertos do livro: A Mulher na Escola de Maria, 1903 - M.J. Larfeuil

As pessoas que desejarem servir-se deste livro para os exercícios piedosos do mês de Maria, devem ler no primeiro dia a instrução transcrita AQUI