Receba as atualizações do † Almas Devotas ➜ Recadastre-se

Enter your email address:

8o. Dia - Mês de Nossa Senhora do Santíssimo Sacramento

Grandeza da Maternidade de Maria




ORAÇÃO PREPARATÓRIA PARA TODOS OS DIAS

V).   Vinde, ó Espírito Santo, Enchei os corações de vossos fiéis e acendei neles o fogo do vosso amor.
V).   Enviai, Senhor, o vosso espírito e tudo será criado.
R).   E renovareis a face da terra.
Oremos — Deus, que instruístes os corações de vossos fiéis com a luz do Espírito Santo, concedei-nos por esse mesmo Espírito o conhecimento e o amor da justiça e fazei com que Ele nos encha sempre de suas divinas graças, pelo mesmo Jesus Cristo Nosso Senhor.
R). Amen.

~ * ~ * ~ * ~

Maria, Mãe de Jesus, Filho de Deus! Maria de qua natus est Jesus, eis o sublime elogio que o Evangelho faz da Santíssima Virgem. O Espírito Santo não louva os seus dons nem as suas virtudes; contenta-se em apontar o princípio divino, a lei de conveniência desses dons e virtudes, isto é, a maternidade divina. Maria recebeu todas as graças e todas as honras porque devia ser Mãe de Deus, e esse título diz tudo de Maria, narra-lhe todas as grandezas.

I. Veio Ela reerguer o gênero humano, restituindo à mãe a coroa de glória e de nobreza que Eva perdera pelo pecado. Satanás destronara nossa primeira mãe, Maria a reabilita.   Representada pelas nobres figuras da antiga lei, Judite, Ester, Débora, Maria se apresenta como Rainha e libertadora. Por esta razão, o Anjo A saúda com profundo respeito, sem se atrever a pronunciar seu nome: Ave gratia plena. Notai a diferença entre a linguagem do anjo à verdadeira mãe dos viventes, e a do serafim decaído à nossa infeliz Eva.
Maria é habitação de Deus: traz consigo o Salvador do mundo, o foco do amor, Aquele que vem trazer a paz aos homens, enquanto Caim, o primogênito de Eva, é um pecador, um fratricida.
Maria recebe as homenagens dos pastores e dos reis dos pobres e dos ricos; sua qualidade de Mãe do Messias a constitui soberana do universo e o próprio Filho de Deus A reconhece como sua verdadeira Mãe, tributando-lhe todos os deveres de um bom filho; e nos dá, assim, o exemplo perfeito da observância deste mandamento: "Honrar pai e mãe".

II. Eva, por culpa própria, perdeu a liberdade e o poder, sub potestate viri eris; "Ficarás, diz-lhe o Senhor, sob o domínio do homem"; e desde então a mulher se tornou escrava ou tutelada do homem.
Eis, porém a mulher forte, a mãe por excelência! A mãe deve ter direito sobre seu filho, seja ele rei, ou seja, Deus, e por isso Maria manda em Jesus. E Aquele diante de quem as potestades celestes tremem, obedece a Maria. Somente Ela O governa, Lhe fala em público, reivindica seus direitos de mãe: Fili, quid fecisti nobis sic? (Luc. II, 48.) Compreendeis agora o poder de Maria? Foi Ela que, em Caná, desligou a omnipotência de Jesus e Lhe deu, de algum modo, o gozo da maioridade. Coroa de soberania é, portanto, o segundo privilégio da maternidade divina.

III. Esta graça ainda confere a Maria uma coroa de glória. Eva, por sua ambição, perdeu toda a glória; foi expulsa vergonhosamente do paraíso e condenada a conceber na dor e na ignomínia.
Maria Santíssima concebe o Salvador na alegria, sem conhecer as dores da maternidade. Ao passar em seu bendito seio, o Salvador deixa nele os vestígios de sua glória, e Maria se torna então Rainha, por ter dado ao mundo Jesus Rei.
Rainha dos Anjos e Rainha da Igreja verá os soberanos depositarem a seus pés os seus impérios, os povos lhe confiarem a própria salvação, e em todo o lugar em que se oferecer um trono a Jesus, terá, igualmente, o seu. O altar de Maria estará sempre ao lado do de Jesus!
Eis a honra, o poder e a glória da maternidade divina: Maria é venerada, é poderosa e gloriosa em Jesus e por Jesus; é sua divina Mãe!

~ * ~ * ~ * ~

O Concílio de Éfeso

Houve um Bispo de Constantinopla, chamado Nestorius, que ousou dizer que a Santíssima Virgem não era Mãe de Deus.
“É a Mãe de Cristo, dizia ele, isto é, de um homem a quem o Filho de Deus se uniu.” E atreveu-se a pregar este seu erro do alto do púlpito, aos fiéis de Constantinopla; mas o povo protestou indignado, exclamando que Jesus Cristo era Deus e não um homem
simplesmente, e que a Santíssima Virgem sendo sua verdadeira mãe, era, portanto, Mãe de Deus. O caso foi submetido ao Papa, chefe dos Bispos e juiz infalível nas questões de fé.
São Celestino I, o Papa reinante, convocou então na cidade de Éfeso, na Ásia Menor, um grande Concílio geral de todos os Bispos, a fim de condenar a heresia de Nestorius.
No ano de 431, iniciou-se o Concílio, com grande solenidade. Desde manhã cedo o povo cercava a Igreja de Santa Maria, onde se deviam reunir os membros do Concílio. Os fiéis pediam em altas vozes que fosse vingada a honra da Santíssima Virgem. Nestorius, intimado três vezes a comparecer diante do Concílio, não se apresentou. A casa em que ele se refugiara estava guardada por uma tropa de soldados que um certo conde, chamado Candídio, embaixador do Imperador, pusera à sua disposição.
Finalmente, à tarde, as portas da Igreja se abriram e São Cirilo, patriarca de Alexandria, legado do Santo Padre, proclamou o decreto do Concílio que declarava ser a Santa Virgem verdadeiramente Mãe de Deus, e que Nestorius, culpado de blasfêmia por ter afirmado o contrário, estava destituído de seu múnus pastoral, deixando assim de ser Bispo e Patriarca
de Constantinopla.
No mesmo momento toda a cidade de Éfeso vibrou em cânticos de júbilo; por toda a parte se ouvia clamar: "Viva Maria, Mãe de Deus!" Ao saírem da Igreja, os Bispos foram levados às suas residências em triunfo, ao clarão de mil tochas. O ar se embalsamara com os perfumes que as senhoras, em honra dos Padres do Concílio, queimavam em caçoulas. A cidade foi iluminada de modo extraordinário, e a alegria dos filhos de Deus se estendeu em breve por todo o universo.
Nestorius ainda tentou resistir ao Papa e ao Concílio, porém o imperador, informado da verdade, o abandonou e condenou ao exílio; e o infeliz nunca se submeteu ao dogma e à autoridade da Igreja. Viveu ainda oito anos, com o rancor no coração e a blasfêmia sobre os lábios, morrendo miseravelmente, o corpo todo estragado e a língua, que blasfemara contra
a Santíssima Virgem, dizendo e repetindo: “Seja anátema quem disser que Maria é Mãe de Deus”, foi devorada pelos vermes antes que ele exalasse o último suspiro. (Mgr. de Ségur).

PRÁTICA — Receber frequentemente o Deus da Eucaristia como remédio à concupiscência e salvaguarda da pureza.

ASPIRAÇÃO — Salve, ó Maria, paraíso espiritual de Deus, onde floresceu o lírio perfumoso e imaculado. Jesus Eucaristia.

~ * ~ * ~ * ~

Oração Final

Ó Virgem Imaculada, Nossa Senhora do SSmo. Sacramento, que durante os anos que vivestes depois da Ascensão, fostes modelo perfeito de serviço à Divina Eucaristia: Vós que passáveis diante de Jesus Sacramentado os dias e as noites, consolando-vos assim no exílio, ensinai-nos a avaliar o tesouro que possuímos no Altar e inspirai-nos visitar frequentemente o SSmo. Sacramento no qual Jesus fica conosco para dirigir-nos, consolar-nos, proteger-nos e receber em troca as homenagens que Lhe são devidas por tantos títulos.
Ó Mãe cheia de bondade e Modelo admirável dos adoradores da Eucaristia, já que sois a Medianeira das graças do Altíssimo, concedei-nos como fruto deste piedoso exercício, as virtudes que, tornando-nos menos indignos do serviço de vosso Divino Filho, obter-nos-ão a vida eterna.  Assim seja.
Nossa Senhora do SSmo. Sacramento, rogai por Nós.


__________

Excertos do livro: Mês de Nossa Senhora do Santíssimo Sacramento extraídas dos escritos do Bem-Aventurado(*) Pedro Julião Eymard, o fundador da Congregação do Santíssimo Sacramento, 1946
(*) Sua canonização se deu em dezembro de 1962