Receba as atualizações do † Almas Devotas ➜ Recadastre-se

Enter your email address:

O livro "A Alma Gloriosa de Maria" para Download

Clique na imagem abaixo

http://alexandriacatolica.blogspot.com.br/2014/05/leitura-para-o-mes-de-maio.html

Leitura Indulgenciada - A Alma Gloriosa de Maria - 31

Orações - Clique Aqui


XXXI. ALMA BEM AVENTURADA! ALMA GLORIOSA
Ao terminar, enlevados, as páginas deste livrinho singelo, mas que tanta coisa nos diz da alma de nossa Senhora e Mãe, uma exclamação, espontaneamente, brota de nossos lábios comovidos: Oh! A alma de Maria! Que alma feliz! Que alma Bem Aventurada!...  E caindo em meditação e recordando, mais uma vez, o que lemos... repetimos, cônscios da verdade que dizemos: Oh! Sim, realmente, que alma Bem Aventurada! — E então, nos lembramos de que a própria Virgem Maria jà o profetizara no seu admirável cântico: “Eis que me chamarão Bem Aventurada todas as nações”. 

Leitura Indulgenciada - A Alma Gloriosa de Maria - 30

Orações - Clique Aqui


XXX. ALMA QUE SE PRENDE E VOA
Maria teve alma de peregrina, alma, portanto, desprendida, inteiramente, das coisas da terra. Mas à medida que se ia aproximando de seu fim glorioso, mais se desprendia de qualquer coisa que, mesmo de leve, a impedisse de voar. Com muito mais verdade do que São Paulo, podia ela exclamar: “desejo, com veemência, desprender-me dos laços da carne para estar com Cristo” (Phil 1, 23). Já havia muito, desde a vinda do Divino Espírito Santo, que Maria guiava e elevava a Igreja nascente, assim quase como havia guiado e guardado o Menino Deus... 

Leitura Indulgenciada - A Alma Gloriosa de Maria - 29

Orações - Clique Aqui


XXIX. ALMA DA IGREJA
Antes de tudo a Ssma. Virgem exerce sua ação misericordiosa em favor da Obra por excelência de Jesus Cristo, a sua Igreja. Ela zela pela sua conservação e dilatação.  Protege-a e a defende; consola-a, assiste-lhe, paralisa as investidas dos maus, põe freio ao furor do inferno, que não deseja senão o seu aniquilamento.

Leitura Indulgenciada - A Alma Gloriosa de Maria - 28

Orações - Clique Aqui


XXVIII. ALMA DE MEDIANEIRA
A Beatíssima Virgem Maria não somente intercede e suplica por nós, mas nos alcança também todas as graças de que precisamos. É a grande medianeira depois de Jesus, único mediador perfeito entre Deus e o homem, pois que Homem-Deus. Mas Ele quis auxiliares, cooperadores: os seus santos, os seus apóstolos e, numa posição única, Maria Santíssima. Por isso Leão XIII, na sua Encíclica Adjutricem em nome da Tradição, a proclamou “Medianeira nossa”, “aquela que nos dispensa todos os dons divinos”.

Leitura Indulgenciada - A Alma Gloriosa de Maria - 27

Orações - Clique Aqui


XXVII. ALMA SUPLICANTE
Maria possui, de fato, uma alma de rainha, mas de rainha que sabe compadecer-se de seu povo. Assim como a rainha Esther, diante de Assuero, suplicou pelo povo judaico que, deste modo, foi salvo, assim Maria suplica, de continuo, diante do trono de Deus, pelo seu povo cristão. E como estas súplicas são ouvidas sempre e sempre se transformam em graças, Maria é chamada pelos santos de omnipotentia supplex. Onipotência suplicante!

Leitura Indulgenciada - A Alma Gloriosa de Maria - 26

Orações - Clique Aqui


XXVI. ALMA DE RAINHA
Entre os verdadeiros peregrinos de Cristo, que passaram por este mundo sem se apegarem a nada, demandando, cheios de fervor, a Pátria celestial, se encontram também rainhas, como Santa Clotilde, Santa Cunegundes, Santa Isabel de Portugal e tantas outras: a maior de todas, porém, foi a Rainha do Universo, a Bem Aventurada Virgem Maria, gloriosa soberana nossa.

Leitura Indulgenciada - A Alma Gloriosa de Maria - 25

Orações - Clique Aqui


XXV. ALMA PEREGRINA

E vemos uma estrada comprida, sem fim, quase... O peregrino cansado, coberto de poeira, apoiado ao seu bordão. Sacola ao lado, com pão e livros de sua fé. E caminha sempre. Lá, ao longe, sobre a montanha, divisa, o santuário... Onde há paz, frescor e harmonia. E ele se anima e caminha sempre avante. E vai fazendo o bem. Reparte de seu farnel aos que têm fome. E serve de arrimo aos que não têm bordão. E de olhos aos que são cegos. E canta e reza pelos que são mudos. E ama pelos que não têm coração. E caminha, caminha sempre... Lá, em cima, o santuário, onde a grande paz e o descanso...
Nada de fantasia. Foi, exatamente, assim, a alma gloriosa de Maria em sua peregrinação terrestre.
Ela corporificou, perfeitamente, a doutrina de Jesus Cristo e que S. Paulo soube tão bem repetir: que nós, nesta terra, não temos morada permanente, mas que demandamos a futura, e que, enquanto peregrinamos por cá, a nossa missão é ir distribuindo o bem a todos os que encontramos no caminho. Como Jesus Cristo, que passou por este mundo, fazendo o bem.
O divino Mestre costumava dizer que não tinha onde reclinar a cabeça, apesar de as raposas terem as suas tocas e as aves do céu, os seus ninhos. É esta a virtude principal do verdadeiro peregrino: o desprezo das coisas que o cercam, o desapego de tudo o que é terreno. Ele segue a sua rota, sem se prender a nada do que vai encontrando; do contrário, não chegaria ao lugar de seu descanso. Sempre avante! E se ele deve ser desapegado, deve ser também muito animoso e confiante, para vencer as dificuldades, lembrando-se sempre do fim que o espera. Foi assim a alma gloriosa de Maria: alma desapegada e alma animosa! Portanto, uma alma verdadeira de peregrina. O seu grande desapego se vê na sua pobreza voluntária, desde a vida no Templo até à morte, pobreza que é desapego dos bens materiais; e se vê, também, na sua profunda humildade, que é desapego, desprezo, até, de louvores e de honrarias. O seu ânimo e coragem, nós o vemos na sua atitude resoluta de quem avança, ou melhor, de quem sobe, sobe sempre, vencendo todas as dificuldades e todos os empecilhos. Não se prende a lugar algum, nem à paz de sua habitação. Vai às montanhas de Hebron, vai a Belém e vai para o Egito. Lá, então, na terra estrangeira, na terra pagã, ela era duplamente peregrina, cheia de saudades das duas pátrias distantes...
E volta para Nazaré, a cuja paz doméstica ela sempre renuncia, sem demora, quando era preciso, para suas visitas de religião e de caridade.
E de Nazaré — onde passara os anos mais felizes e tranquilos com Jesus e São José — vai para Jerusalém — onde o trecho mais doloroso de sua peregrinação — e de Jerusalém para Éfeso, percurso dos suspiros e das saudades, mas última passagem, antes de chegar à Pátria, o grande Santuário de Deus, para onde ela peregrinara, sem repouso, a vida inteira já...  Agora sim, era o descanso, o frescor do templo, a paz, as harmonias...
Quer o queiramos, quer não, nós somos peregrinos. Mas seguimos o exemplo de Maria? E a rota, traçada por Cristo, no seu Evangelho? Desapegados das coisas do mundo? Cheios de ânimo e alegria para vencer as dificuldades? Ou nos arrastamos de má vontade, presos a mil ninharias que nos rodeiam? Sejamos prudentes; façamos como aquele escudeiro de S. Wenceslau da Boêmia. Sem o fervor do rei, sentia muito as caminhadas longas e feitas sobre a neve em demanda de algum santuário. Estava por desanimar e atirar-se, sem forças, sobre a estrada, quando o Soberano, voltando-se para trás, disse: “Trata, amigo, de pisar justamente nas minhas pegadas e não sentirás nem cansaço, nem frio!” O resultado foi maravilhoso — Pisemos nós, também, exatamente, nas pegadas de Maria, e chegaremos sem desfalecimentos, ao santuário do céu... Façamos como S. Francisco de Assis, que tão bem pôs em prática esta doutrina da peregrinação...

Ó MARIA, Virgem prudente e fiel, fazei que nos lembremos sempre de que somos peregrinos e de que, desapegados de tudo e alegres e animosos, devemos demandar, continuamente, a Pátria celeste. Assim seja!


__________
Do Livro: A Alma Gloriosa de Maria - Frei Henrique G. Trindade, O.F.M. - 1937 - segunda edição

Leitura Indulgenciada - A Alma Gloriosa de Maria - 24

Orações - Clique Aqui


XXIV. ALMA EUCARÍSTICA
Ser uma alma eucarística não significa, apenas, comungar todos os dias ou fazer, de vez em quando, uma hora de adoração.
São Luiz Gonzaga comungava uma vez por semana; nós, talvez, comungamos todos os dias. Entretanto, não pretenderemos ter uma alma eucarística como a sua, que durante os três primeiros dias da semana dava contínuas ações de graças pela comunhão recebida e nos três últimos se preparava, fervorosamente, para a comunhão que havia de receber. Era uma alma eucarística!

Leitura Indulgenciada - A Alma Gloriosa de Maria - 23

Orações - Clique Aqui




XXIII. ALMA HUMANA
A santidade não é a destruição da natureza. Que sim o seu aperfeiçoamento e a sua elevação. Por isso, quanto mais santo é um homem, mais homem ele é, mais natural, mais perto de nós. O exemplo clássico, por excelência, é Jesus Cristo, Senhor Nosso, cuja vida foi a melhor glorificação da verdadeira humanidade. Logo depois, vem a vida de Maria Santíssima. Vida tão santa e, justamente, por isso, tão simples, tão humana. Que há nela de extraordinário, a não ser o seu amor? Que ações grandiosas ela realizou, a não ser a grandiosa singeleza e perfeição com que executava todas as suas ações, até as mais humildes?

Leitura Indulgenciada - A Alma Gloriosa de Maria - 22

Orações - Clique Aqui


XXII. ALMA DE ORAÇÃO
O sacerdote reza e reza muita. Principalmente antes e depois de oferecer o Santo Sacrifício. Maria Santíssima, a Virgem Sacerdotiza, não podia agir de outro modo. E como toda a sua vida foi um sacrifício, uma missa perene, todo o dia recomeçada e recomeçada com novo fervor, também toda a sua vida foi uma oração perene. No Templo era a sua vida: a oração que a conservava em íntimo comercio com a Divindade. No lar, todo o tempo livre de suas ocupações, era consagrado a este santo exercício.

Leitura Indulgenciada - A Alma Gloriosa de Maria - 21

Orações - Clique Aqui


XXI. ALMA SACERDOTAL
São Pedro  apostolo escreveu, na sua epistola;  “Vós sois a geração escolhida, o SACERDÓCIO REAL, a gente santa, o povo de aquisição, para que publiqueis as grandezas d'Aquele que das trevas vos chamou à sua maravilhosa luz”.

Leitura Indulgenciada - A Alma Gloriosa de Maria - 20

Orações - Clique Aqui


XX. ALMA JUBILOSA
A Igreja que, na sua liturgia, chama à Virgem “Rainha dos Mártires”, lhe chama também “Causa da nossa alegria”. Ora, ninguém dá o que não tem. Se Maria distribui entre seus filhos o belo dom da verdadeira alegria, é porque ela a possui em abundância. Nem podia ser de outro modo. Pois não é a alegria um presente do céu? E que haverá lá pelo céu, de belo, de bom, de elevado, que Deus Nosso Senhor não tenha concedido a sua Mãe? Nem teria sido perfeita, se não tivesse conhecido a alegria de Deus. Porque desta, somente, aqui se trata. E não da alegria ruidosa deste mundo, alegria falsa, fugaz, enganadora. Maria é a nova Judite, cheia de graça, bendita entre todas as mulheres, a quem a Igreja, com todos os fiéis, saúda: Ó Senhora, vós sois a alegria do nosso povo... Por isso São Francisco, se bem que fosse grande devoto das dores da Virgem, não o era menos de suas alegrias.