Receba as atualizações do † Almas Devotas ➜ Recadastre-se

Enter your email address:

3o. Dia - Mês de Nossa Senhora do Santíssimo Sacramento

O dote de Maria Imaculada


ORAÇÃO PREPARATÓRIA PARA TODOS OS DIAS

V).   Vinde, ó Espírito Santo, Enchei os corações de vossos fiéis e acendei neles o fogo do vosso amor.
V).   Enviai, Senhor, o vosso espírito e tudo será criado.
R).   E renovareis a face da terra.
Oremos — Deus, que instruístes os corações de vossos fiéis com a luz do Espírito Santo, concedei-nos por esse mesmo Espírito o conhecimento e o amor da justiça e fazei com que Ele nos encha sempre de suas divinas graças, pelo mesmo Jesus Cristo Nosso Senhor.
R). Amen.
~ * ~ * ~ * ~

I. No dia da sua Imaculada Conceição. Maria recebeu um dote magnífico, proporcionado aos seus deveres sublimes e a sua incomparável dignidade de Mãe de Deus; recebeu, nesse momento, o tesouro de graças que faria d'Ela a co-redentora do gênero humano, associando-A a obra de nossa salvação.
Não duvido que o privilégio da Imaculada Conceição supere todas as graças concedidas a Maria, mesmo a graça da sua maternidade divina. É, sim, menor que esta quanto à dignidade; porém, aos olhos de Deus e para Maria, é mais importante; é o fundamento e a origem de todas as dignidades e de todos os privilégios que lhe serão conferidos mais tarde.
Valeria pouco ser Mãe de Deus e ao mesmo tempo pecadora. O que constitui a grandeza diante de Deus não é a dignidade que Ele confere, porém a santidade e a pureza com que a sustentamos. Lançai sobre os ombros de um mendigo um manto de púrpura, não deixará de ser um mendigo. A Imaculada Conceição, tendo sido a causa da pureza e da santidade de Maria, é, pois, a mais sublime de suas graças; por isso, desde o momento de sua criação, foi a Santíssima Virgem mais agradável a Deus do que todos os seres reunidos, e um só ato de amor dessa débil criatura, ainda oculta no seio materno, mais meritório e de maior glória para Deus do que todo o amor dos santos e dos anjos em conjunto. Os juros são sempre proporcionados ao capital; Maria possui um fundo de graças ilimitado, que produz o cêntuplo.

II. A Imaculada Conceição é o ponto de partida de todas as virtudes de Maria; é a sua virtude soberana, no sentido de que Ela trabalhou sempre, e fez render o cabedal de graças então recebido. É princípio aceito que Maria jamais foi infiel à menor inspiração do Espírito Santo, e fez frutificar, em toda a sua extensão, as graças que lhe foram concedidas. Nenhum santo atingiu esse ponto; fica-se, de ordinário, muito aquém da correspondência às graças.
Por isso, o Anjo A saúda "cheia de graça" — O Senhor é convosco, lhe diz ele, convosco sempre, em toda parte; em vós não se encontra vácuo que não seja preenchido pela graça.
Ah! Maria foi fiel a todos os seus deveres, fiel a todos os desejos do Senhor! Jamais se descuidou da menor parcela do bem a praticar; recebeu sempre os raios da santidade de Deus, absorvendo-os inteiramente sem desperdiçar nenhum.
E esta fidelidade a todas as graças fê-la progredir continuamente nas virtudes. Maria velava sobre o seu tesouro como se o pudesse perder. Grande lição para nós! Quaisquer que sejam as graças que recebermos, sejamos atentos em conservá-las! Maria, confirmada em graça, não por natureza, mas em consequência de sua união com Deus, Ela, de quem jamais tentação alguma ousou se aproximar, vela sobre si mesma, trabalhando incessantemente na obra de sua santificação; caminha e se eleva sempre. Recolhe-se ao Templo na idade de três anos, para fugir do mundo; treme diante da presença de um anjo, puro espírito, a lhe falar exclusivamente de Deus! Contudo, não julga fazer bastante. Mais tarde, sofrerá um verdadeiro martírio, e sem conforto; vai assim bordando a veste de sua Imaculada Conceição, enriquecendo-a e adornando-a das mais belas flores de virtudes. É sempre esta graça inicial que Ela desenvolve e embeleza por suas virtudes e sacrifícios.

III. A Imaculada Conceição é ainda a medida de seu poder e de sua glória. Somente a pureza e a santidade nos tornam poderosos junto de Deus, que opera as grandes coisas por meio das almas puras; só atende Ele às vozes inocentes ou purificadas. E a pureza de Maria jamais foi empanada pela menor mancha. Qual será, pois, o seu poder? Diz-se que a mãe é omnipotente sobre o coração do filho; mas, quando perde a sua dignidade, não tem mais poder.
Que se poderá recusar, porém, se Ela for pura? Salomão disse a sua mãe, depois que ela fez penitência: "Nada vos posso recusar". Que diremos então de Maria, visto que todas as graças passam por suas mãos e que é Ela o reservatório dessas graças? Na ordem da salvação, Jesus lhe entregou todos os poderes.
E a glória de Maria? Sua pureza lhe mereceu tornar-se Mãe do Rei, e hoje está sentada num trono à direita do seu Filho; exceto a adoração, recebe todas as honras e homenagens; é tão bela e tão gloriosa, que por si só faria a felicidade do paraíso!

IV. Assim, pois, todas as graças, as virtudes, o poder e a glória de Maria derivam de sua Imaculada Conceição e formam seu magnífico dote. O Batismo nos purifica, nos tornando imaculados, sem mancha; logo que a criança o recebe, se transforma em templo de Deus, num paraíso; com que vigilância devemos conservar essa pureza batismal! E se a tivermos perdido podemos nos purificar por meio da Penitência; é necessário ser puro. Não falo somente da pureza dos sentidos; é mister, além disso, uma grande pureza em todas as nossas ações, em nossa vontade, em todas as nossas intenções: em resumo, a pureza da vida; nisto se encerra tudo. Sem a pureza não podemos agradar ao Deus da Eucaristia, que é todo pureza; somente os corações puros conseguem vê-LO, atravessando os véus que O encobrem. Manifesta-se Ele unicamente ao coração puro porque a pureza é o amor, a delicadeza da amizade que não quer desagradar. Por isso é que a finalidade de Nosso Senhor vindo às nossas almas, é purifcar-nos cada vez mais; purificando-nos, nos santifica; santificando-nos, nos une mais intimamente a Ele, e quando estivermos bem puros nos atrairá a Si e nos coroará no céu.

~ * ~ * ~ * ~

A Santa Virgem vela sobre as Santas Hóstias
Paterno (Itália) — 1772

Em 28 de janeiro de 1772, a aldeia de São Pedra de Paterno, situada a cerca de duas milhas de Nápoles, foi teatro de horrível sacrilégio: uns ladrões roubaram do tabernáculo dois cibórios contendo uma centena de hóstias consagradas, que foram depois encontradas graças a uma intervenção milagrosa: apareceram luzes nos dois lugares onde haviam sido escondidas. A primeira vez, na manhã de 26 de fevereiro desse mesmo ano, um Sacerdote de Nápoles, cavando a terra ao pé de um álamo que se tornara resplandecente, teve a consolação de recolher quarenta: apesar de um rigoroso inverno e chuvas torrenciais, estavam brancas, intactas, em perfeito estado de conservação, tendo apenas as bordas levemente salpicadas de lama. Além disso, a terra que estivera em contacto com o Corpo de Jesus Cristo, e que se recolhera absolutamente seca em uma toalha muito limpa, começou a destilar uma água puríssima. Na tarde da quinta feira seguinte as outras hóstias foram encontradas da mesma maneira milagrosa: como as primeiras, estavam perfeitamente conservadas.
Apraz-nos citar aqui o testemunho do Cura de Paterno, Matias d'Anna, e que constitui o eco de uma tradição corrente no lugar. Durante o tempo decorrido entre o roubo sacrílego e a aparição das luzes, um arrieiro chamado Francisco Jodice, de 27 anos de idade, ao voltar de Nápoles à tarde, via sempre, no lugar onde as hóstias haviam sido enterradas, uma senhora que se apoiava numa árvore. Uma tarde, atreveu-se a perguntar-lhe o que fazia tão sozinha nesse lugar: "Estou aqui, lhe responde Ela, fazendo companhia a meu Filho!" Quando as hóstias consagradas foram descobertas, todos compreenderam que esta senhora devia ser a augusta Virgem Maria.
O Vigário Geral de Nápoles fez o reconhecimento canônico das santas Espécies, objeto de tantas maravilhas, e encerrou-as em dois cilindros de cristal fechados com aros de prata, afim de que pudessem elas ser expostas a veneração dos fiéis. (Os Milagres históricos do Santíssimo Sacramento, pelo Padre Eugênio Couet).

PRATICA — Em todas as comunhões pedir, por intercessão de Maria, a pureza de uma vida perfeita.

JACULATÓRIA — Cantaremos vossos louvores, ó Maria, gloriosa cidade do Deus Eucarístico!

~ * ~ * ~ * ~

Oração Final

Ó Virgem Imaculada, Nossa Senhora do SSmo. Sacramento, que durante os anos que vivestes depois da Ascensão, fostes modelo perfeito de serviço à Divina Eucaristia: Vós que passáveis diante de Jesus Sacramentado os dias e as noites, consolando-vos assim no exílio, ensinai-nos a avaliar o tesouro que possuímos no Altar e inspirai-nos visitar frequentemente o SSmo. Sacramento no qual Jesus fica conosco para dirigir-nos, consolar-nos, proteger-nos e receber em troca as homenagens que Lhe são devidas por tantos títulos.
Ó Mãe cheia de bondade e Modelo admirável dos adoradores da Eucaristia, já que sois a Medianeira das graças do Altíssimo, concedei-nos como fruto deste piedoso exercício, as virtudes que, tornando-nos menos indignos do serviço de vosso Divino Filho, obter-nos-ão a vida eterna.  Assim seja.
Nossa Senhora do SSmo. Sacramento, rogai por Nós.


__________

Excertos do livro: Mês de Nossa Senhora do Santíssimo Sacramento extraídas dos escritos do Bem-Aventurado(*) Pedro Julião Eymard, o fundador da Congregação do Santíssimo Sacramento, 1946
(*) Sua canonização se deu em dezembro de 1962