Receba as atualizações do † Almas Devotas ➜ Recadastre-se

Enter your email address:

Capítulo XXXIX - A minha cruz

CENTELHAS EUCARÍSTICAS
 PEQUENA COLEÇÃO
DE
Pensamentos e afetos devotos
a
JESUS SACRAMENTADO


XXXIX
A minha cruz
__________

TAMBÉM a mim Jesus quis dar uma cruz. E que melhor coisa Ele podia dar-me, depois de si mesmo, do que o Trono onde reinou na hora da sua máxima vitória, quando subjugou o inferno? Se Ele há de aparecer no último dia flanqueado pela cruz, não é justo e belo que eu me encaminhe para a eternidade levando-a sobre os ombros?
Às vezes relanceio os olhos em torno e vejo muitas cruzes arrastadas pelos meus irmãos. Ao vê-las tão de longe, parecem-me pequenas e ligeiras, mas se me aproximo a examiná-las, constato que são feitas como a minha e, às vezes, ainda mais pesadas. Não seria uma estulta se perguntasse a Deus porque me deu uma cruz? Eu sou filha de Adão e filha de Jesus: filha do primeiro culpado e filha do maior inocente; portanto? Portanto, devo também eu ter uma cruz para fazer penitência e santificar-me na imitação de Jesus.
Quem é que sabe que eu tenho uma cruz? Quase ninguém. E quem se compadece ao ver-me vergada ao peso dela? Bem poucos e, certos dias, absolutamente ninguém. As criaturas tendem mais para a alegria que para a dor: eis porque os dolentes são muitas vezes abandonados. Mas se poucos ou ninguém se ocupa de mim, há um que sabe tudo que tenho sobre os ombros e me pesa no coração: é Jesus. Que alegria apresentar-me a Jesus e ser conhecida por Ele somente! Assim, posso confidenciar com Ele só, tu a tu, falar-lhe dos meus sofrimentos, sem que o mundo venha tentar-me com os seus perigosos confortos. Ah! Quando se sofre, é muito mais fácil entendermo-nos com Jesus que com as criaturas.
O mundo tem um critério que é uma verdadeira nequícia. Quando alguém geme sob o peso da cruz que o esmaga, julga-se que ele seja um culpado, e, em vez de se admirar a sua paciência e expiação, considera-se exclusivamente a sua culpa e despreza-se. Jesus, ao contrário, segue o critério oposto. Quando vou encontrá-lo, Ele olha-me sorrindo... Mas por quê? Não o tenho eu ofendido mil vezes? Sim, mas agora trago a cruz do sofrimento e da penitência, e é isto o que mais lhe agrada. Se comigo entrassem na igreja todos os reis da Terra cingindo as suas coroas e empunhando os seus cetros, Jesus, ao dar-nos audiência, receber-me-ia a mim de preferência, porque eu trago uma cruz e eles não.
Pobre coração meu! Também tu te lamentas de teres de arrastar uma cruz, tu que eras chamado para a alegria e para a felicidade... Pobre coração! De que serviriam todas as minhas penitências se tu não fosses o primeiro a sofrer, e se não sofresses mais que todos os sentidos e que toda a minha alma? Todo o mal que eu pratiquei não veio porventura de ti? Foste tu que me afastaste de Jesus para me impelir a amar as criaturas; por isso toca-te agora a parte mais amarga da expiação. De resto, és tu que recebes todas as manhãs o teu Jesus; e desejarias que Jesus descesse a um coração sem encontrar nele ao menos um pouco do seu calvário, uma relíquia da sua cruz, uma reminiscência da sua paixão e morte? Ah! Se não tivesses também tu a tua cruz, em um só dia tornar-te-ias tão mau como dantes.
Eu beijo, embora chorando, a minha cruz, porque, se não fosse ela, eu não me teria avizinhando tanto do Tabernáculo. Ah! Quando se sofre, não bastam já ao coração as imagens santas; quer-se uma realidade vivente, falante e, sobretudo, amante; mas onde encontrá-la fora do Tabernáculo? Agora, depois de tantas dores suportadas, se me propusessem aliviar-me da minha cruz com a condição de me distanciar de Jesus Sacramentado, embora esteja cansada de sofrer e desejosa de repousar em paz, repeliria a oferta, como se repele um veneno. A cruz amargura-me a alma e o coração, é verdade; mas não tão completamente, que não lhes deixe intactas e livres as partes mais recônditas, mais secretas e mais delicadas; e é aqui exatamente que vem repousar o meu Jesus quando o recebo na Comunhão. Se a cruz me fere e me pesa externamente, Jesus me alegra e me conforta na parte mais viva e mais íntima do meu ser.
Pensando bem, vejo que é uma estultícia considerar as cruzes unicamente como um castigo dos pecados cometidos. Mais que um castigo, a cruz é uma honra, porque é uma participação da paixão de Jesus e produz na alma uma semelhança belíssima com Ele. Que coisa seriam todas as virtudes cristãs se não fossem embelezadas e enriquecidas por uma cruz? É inútil procurar uma santidade que sofra, porque é impossível haver sabor de virtude que não amadureça sobre o Calvário. Portanto, se sofro, sou honrada e santificada pelo meu próprio sofrimento, e devo agradecer a Jesus que, quando vem encontrar-me, traz-me sempre um pouco desta santidade; nem me devo maravilhar se, depois de feita a Comunhão, voltando às costumadas ocupações, encontro muitas vezes uma cruz bela e preparada... É o presente de Jesus à sua dileta.
A minha cruz é ainda santa, porque me foi dada por Jesus, e é destinada a santificar-me. Contudo, quando adoro Jesus junto do Tabernáculo e, mais ainda, quando o aperto ao coração na Comunhão, depois de lhe oferecer tudo o que a cruz me faz sofrer, não sei por que extravagância do espírito, quisera deixar ali a minha cruz e ir-me embora sem ela. É este um sinal evidentíssimo da pouca perfeição com que o visito e o recebo, e uma revelação da minha insensatez, visto demonstrar como eu tenho esquecido a sentença de Jesus: que não é digno d'Ele quem não arrasta a sua cruz.
Se há uma coisa que deveria fazer-me amar a cruz e tornar-me-la ligeira, é exatamente a Eucaristia; e eu quererei servir-me da Eucaristia para livrar-me das minhas cruzes?
Quando contemplo as imagens do Coração de Jesus, faz-me sempre uma singular impressão o vê-lo com uma cruz implantada sobre o meio, com uma abertura no lado e todo cingido em torno por uma coroa de espinhos: são estes os símbolos dos seus sofrimentos imensos. Mas o que maiormente me impressiona é ver que, das feridas produzidas pela cruz, pela lança e pelos espinhos, saem tantas flamas, que são outros tantos símbolos do amor. Portanto, concluo de mim para comigo, o Coração de Jesus é feito de tal maneira que as feridas que os homens lhe fazem, corresponde, não com os raios da indignação e da vingança, mas com chamas de amor. Oh! Se o meu coração se assemelhasse um pouco ao Coração de Jesus! Como me tornaria bem depressa santa, se a todo o golpe que Jesus me dá com a cruz, a toda a tribulação que me manda, eu soubesse responder, não com lamentos e impaciências, como estou acostumada, mas com outras tantas chamas de amor! E, todavia, se desejo que o meu coração se torne semelhante ao seu, devo desejar amá-lo em proporção daquilo que sofro e desejar sofrer ainda mais para poder amá-lo sempre mais. Assim deveria fazer... Mas, quanto estou longe do perfeito cumprimento do meu dever!
A minha Cruz... Pobre cruz! Um pouco a desejo, e outro pouco a temo: ora a encontro bela, e ora me causa repulsão: hoje beijo-a e amanhã fujo-lhe. E pensar que esta cruz afinal não é minha, mas a própria Cruz de Jesus! Se a olho bem vejo ainda aqui e além-pérolas de sangue que corre de mistura com gotas de pranto... São o Sangue de Jesus e as lágrimas de Maria. E porque não desejá-la sempre, não a encontrar sempre bela, não a beijar sempre? Certo que, se espero conhecer-lhe o mérito escutando a voz do mundo, a cruz se me apresentará sempre como uma coisa detestável. O melhor será arrastá-la sempre recorrendo a Jesus e rogando-lhe que ma faça conhecer tal qual ela é, e amá-la quanto merece. Assim farei sempre; e Jesus me verá todos os dias afastada das criaturas, reconhecida ao pé d'Ele e, como uma prisioneira do Tabernáculo, mover-me incessantemente entre a sua Cruz e o seu Coração.

__________

Fragmentos

[...]

Este capítulo continuará Amanhã

Nenhum comentário:

Postar um comentário